Granada, Espanha

“Cuevas” são originalmente casas trogloditas escavadas na rocha, situadas no bairro granadino de Sacromonte. Na sua maioria habitadas por ciganos, hoje em dia muitas são lugares de espectáculos de Flamenco que, segundo reza alguma história, é originário de Granada (outra história refere que a sua origem está em Cádiz…). Resumindo e concluindo, actualmente, este é um dos bairros mais turísticos e frequentados do burgo, devido à cultura e tradições dos seus habitantes e ao trabalho desenvolvido com estes na sua inserção e participação na comunidade, exemplo de que a inclusão social é possível.

Alhambra, Granada, Espanha

Complexo palaciano e fortaleza, na sua maioria construído entre 1248 e 1354, albergou o monarca da dinastia nacérida e a respectiva corte do Reino de Granada e representou o expoente máximo do estilo granadino da arte andaluza. Com a conquista de Granada pelo rei católico Fernando II de Aragão e pela rainha Isabel de Castela em 1492, o complexo foi transformado em palácio real, tendo ao longo dos tempos sofrido alterações ao sabor dos reinados e dos contextos. Alhambra é Património Mundial da UNESCO e o monumento mais visitado de Espanha.

Carmen de San Rafael, Granada, Espanha

“Carmen” designa um estilo de casa típico de Granada. É um espaço encerrado ao exterior, cercado de muros relativamente altos, existindo no seu interior um espaço verde que é simultaneamente horta e jardim. O termo “Carmen” terá origem no hispano-árabe “Karm” que significa “vinha”, sendo que no período Nasrida designava uma quinta situada extramuros de Granada. Este tipo de casa é muito usual nos bairros de Álbaicín e Realejo.

Catedral, Granada, Espanha

Símbolo afirmativo do catolicismo que sucedeu ao domínio muçulmano vigente antes da Reconquista católica e expoente máximo do Renascimento espanhol, fica situada no Bairro Católico (como não poderia deixar de ser…), em pleno centro da cidade. A sua imponência é tal que até o rei Sol tem dificuldade em iluminar o caminho aos visitantes.